Benefícios da musculação para amputado transtibial decorrente de neurofibromatose: um estudo de caso

Elaboração e implantação de programas de ginástica laboral em empresas.
9 de novembro de 2014
Efeitos do Exercício Crônico Sobre a Concentração Circulante da Leptina e Grelina em Ratos com Obesidade Induzida por Dieta
9 de novembro de 2014
Show all

RESUMO

Este estudo teve por objetivo demonstrar a importância da atividade física orientada por um profissional de Educação Física na recuperação e manutenção da força e resistência muscular de amputado transtibial decorrente da Neurofibromatose tipo 1 (NF1) no pré e pós protetização. Foram selecionados aparelhos e exercícios físicos e realizado um treinamento muscular pré e pós protetização, com acompanhamento através de avaliação física do desempenho do sujeito. Os resultados obtidos foram os seguintes: a manutenção do perímetro proximal da coxa após quatro avaliações; os exercícios isométricos realizados nos diferentes ângulos da articulação do joelho favoreceram a manutenção da força de alavanca do mesmo; a estabilização do quadril, pois o mesmo se encontrava em processo de retroversão no início do treinamento; maior resistência da musculatura abdominal e lombar conseguindo assim eliminar as dores relata pelo sujeito e proporcionando harmonia da musculatura e maior aproveitamento dos outros exercícios propostos. No momento da protetização diagnosticou-se um avanço significativo da deambulação quando comparado com outros sujeitos de um centro de reabilitação. É interessante ressaltar que vários exercícios realizados são semelhantes aos prescritos por fisioterapeutas, o diferencial é a carga e as repetições. No entanto, vários exercícios tradicionais da musculação devem sofrer adaptações técnicas, para que a melhor relação custo-benefício nos treinamentos seja atingida, quando se trata de reabilitação em casos especiais.

Referência Bibliográfica
CAIXETA,P.H ; CAMPOS, L.A.S. Benefícios da musculação para amputado transtibial decorrente de neurofibromatose: um estudo de caso. Coleção Pesquisa em Educação Física, Vol.06 Ano 01,Pag.145-152,2007

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *