Como implantar um estúdio de personal training.

Ser um é diferente de ser mais um.
9 de novembro de 2014
Efeito de programas de treinamento físico personalizado sobre relação cintura quadril (RCQ), circunferência abdominal (CA), massa corporal (MC) e percentual de gordura (%G) em mulheres.
9 de novembro de 2014
Show all

O mercado para profissionais de Educação Física que atuam como personal trainer no Brasil continua em expansão, principalmente em face do crescimento econômico das classes sociais, do aumento do poder aquisitivo e pela ampla divulgação da mídia sobre as vantagens desse serviço. (PORTO, 1999)
O sonho de ter o seu próprio negócio para muitos, é a razão de estar lendo este capitulo. Sonhar nada custa, mas transformar este sonho em negócio rentável necessita além de força de vontade, dedicação, intuição, algum dinheiro e boa administração.
As pessoas sabem dos benefícios da prática regular dos exercícios físicos, mas não são fieis dos programas por considerá-los impessoais e pouco atrativos, quando oferecidos em academias, clubes ou associações. Com isso, o mercado e os clientes estão optando por locais menores, discretos, mas ao mesmo tempo confortáveis e com equipamentos que permitam um trabalho diferenciado e privado, que favoreça de fato, a saúde e o bem-estar.
As sessões de treinamento no estúdio são praticadas individualmente, com o personal trainer, ou em pequenos grupos com perfis semelhantes. Assim, o serviço ganha em qualidade e fidelidade. Segundo DOMINGUES FILHO (2012), personal training significa atividade física desenvolvida com base em um programa particular, especial, que respeita a individualidade biológica, preparada e acompanhada por profissional de Educação Física, realizada em horários preestabelecidos para, com segurança, proporcionar um condicionamento adequado, com finalidade estética, de reabilitação, de treinamento ou de manutenção da saúde.
O estúdio ideal é aquele onde diferentes pessoas, que se exercitam por razões diferentes, se sintam assistidas adequadamente. Logo, boa comunicação e ambiente agradável são importantes nesse empreendimento. Para NOBRE (1999), existem duas formas básicas de classificar o publico alvo pelo aspecto socioeconômico. A primeira, onde esta localizado o empreendimento e o segundo pelo valor cobrado, que deve ser condizente com a qualidade dos serviços.
Abrir um estúdio de personal trainer é criar um negócio que requer comprometimento. Todo empreendedor precisa entender o mercado em que irá atuar, para saber quem serão os compradores de seus serviços. Precisa de que o melhor produto para qualquer cliente continua sendo aquele que cabe no orçamento. Isso significa que o cliente não compra serviços, mas sim vantagens. Precisa, também, observar as características do investimento, os riscos envolvidos, e ter uma boa noção de administração. Como qualquer investidor, deve realizar inicialmente um estudo de viabilidade do futuro negócio e, depois, fazer o planejamento estratégico e financeiro. Vale ressaltar que nem sempre um ótimo profissional de Educação Física é um bom administrador. Administração não faz parte de sua formação acadêmica, não significando isso, que um professor não possa ter sucesso nessa área, bastando apenas buscar uma qualificação específica.
A seguir uma sugestão de roteiro de avaliação preliminar que deverá ser pesquisado e respondido pelo empreendedor para abertura de um estúdio de personal training. As perguntas aqui descritas não são definitivas, mas um ponto de partida para que possa complementá-las e adequá-las a sua realidade, verificando o que se passa especificamente na região onde deseja instalar o negócio.

 Mercado consumidor

  1.  Qual é o tamanho do mercado consumidor da sua cidade, para os serviços de personal training e de avaliação física?
  2. Qual o perfil deste consumidor: social (idade, sexo, classe social e hábitos); econômico (renda média mensal, profissão e propriedade); demográfico (região onde mora ou trabalha)?
  3. Quais as preferências de lazer e de atividades físicas deste público?
  4. O que mais influencia este público na decisão de consumir serviços relacionados a saúde e bem estar?
  5. Qual a média de preço cobrado no mercado para treinamento personalizado e para avaliação física?

Investimento e retorno

  1. Qual o valor total a investir no empreendimento? Se possível com a descrição em detalhes do que será investido.
  2. Qual a origem do recurso que financiará este projeto: recurso próprio, empréstimo ou financiamento bancário?
  3. Qual o tamanho da área do estúdio, a quantidade de equipamentos, de aparelhos, de acessórios, de móveis entre outros a serem adquiridos?
  4. Qual a taxa de retorno mensal esperado?
  5. Qual o período mínimo e médio de retorno do investimento?

Administração

  1.  Quais as capacidades mínima e máxima de ocupação?
  2. Dos serviços oferecidos, personal training e avaliação física, quais os valores a serem cobrados?
  3. Qual a previsão de demanda de receita mensal e anual, para os próximos anos?
  4. Descrição do gasto mensal com mão de obra, manutenção e impostos é o impacto de cada um destes sobre o valor dos serviços oferecidos?
  5. Quais fatores influenciam mais diretamente nos custos dos serviços e como eles tenderão a se comportar nos próximos anos?
  6. Qual o impacto dos indicadores econômicos nos resultados do empreendimento.
  7. Que outros fatores poderão afetar o fluxo de caixa?

Feito esta avaliação preliminar do empreendimento em questão, passamos para segunda fase. Atente-se a esses detalhes, pois é importante a sua observação.

  • Localização – de preferência em bairros onde haja uma boa concentração vertical de moradias ou de locais de trabalho, criando uma visibilidade e comodidade à clientela que deseja atender. Lembre-se que o trânsito e a falta de acesso fácil podem atrapalhar o empreendimento.
  • Área – mínima de 30 m2. Lembre-se na falta de um local próprio, o aluguel não deve superar 1% a 2% do valor do imóvel.
  • Instalação – tem que ser de bom gosto, confortável, acolhedora, moderna, limpa, organizada, ventilada, iluminada e funcional. Recomenda-se buscar a assessoria de arquiteto para elaborar o projeto e supervisionar a execução, com intuito de criar uma identidade de qualidade no espaço e dar destaque ao local. Um estúdio de personal training só precisa de uma recepção, espaço de treinamento e banheiros / vestiários. O investimento aqui pode variar de R$ 10.000,00 a R$ 25.000,00, conforme as melhorias e adaptações a serem feitas no imóvel.
  • Equipamentos – o investimento para aquisição de aparelhos, acessórios, moveis e utensílios variam de R$ 50.000,00 a R$ 120.000,00. Para um estúdio básico devemos considerar os seguintes aparelhos e acessórios de treinamento: uma esteira, uma bicicleta, um leg press, uma cadeira extensora/ flexora, uma cadeira adutora/abdutora, um lat pulldown com low row, um multi press, um banco, uma bola de 65 cm, um balance disc, uma fita de suspensão, um mini trampolim, um step, dois bastões, três colchonetes, dois extensores de borracha com intensidade diferentes, uma barra reta de 180 cm com presilhas, uma barra w com presilhas, um par de barras de 40 cm com presilhas, um jogo de anilhas com suporte, um jogo de halteres com suporte, um par de luvas com manoplas, e um monitor de frequência cardíaca. Com relação aos moveis e utensílios básicos, sugiro: um split com boa capacidade para deixar o ambiente climatizado, televisão, DVD e aparelho de som com saída USB para acoplar ipod e ipad, bebedouro, sistema Wifi (internet), um balcão ou mesa de recepção com cadeira. Já os equipamentos de avaliação física: um estadiometro, uma balança digital, um aparelho de pressão arterial analogocio, um compasso de dobras cutâneas e uma fita métrica.
  • Mão de obra – nesse ramo a qualidade e a satisfação estão aliadas ao atendimento e à objetividade do tratamento dado ao cliente. Atendimento é fator imprescindível ao sucesso, por se tratar de atividade no qual se lida com pessoas o tempo todo. Para um estúdio de 30 m2, são necessários dois profissionais de Educação Física registrados no CREF, um faxineiro e uma secretária. A formação de uma equipe demanda um investimento e exige um período de maturação de cerca de um ano.
  • Venda – para vender este serviço é necessário que as pessoas envolvidas sejam treinadas especificamente para esta atividade, ou seja, saibam negociar. Nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Paraná os valores das mensalidades para treinamento personalizado de duas sessões por semana, variam de R$ 360,00 a R$ 960,00 para uma frequência de duas vezes por semana. O de avaliação física varia de R$ 50,00 a R$ 180,00 por teste.
  • Horário de funcionamento – sugiro que seja implantado um horário de funcionamento abrangente, que vai de segunda-feira a sexta-feira, das 6h30min às 21h30min e, aos sábados das 7h às 12h. É grande o número de pessoas que trabalham e/ou estudam e que, portanto, precisam de horários flexíveis para frequentar as sessões de treinamento, já que não se adaptam aos padrões normais de atendimento e paga por essa exclusividade.
  • Divulgação – a inauguração do estúdio deve ser bem elaborada, onde boa parte dos convidados sejam pessoas com o perfil da clientela a ser atendida. Mas o investimento principal deve ser feito através de cartões, folders, merchandising e ações sociais que criem uma imagem de qualidade do estúdio. Nesse ramo a propaganda boca a boca é muito melhor e mais eficiente do que qualquer comercial ou mala direta. As paginas de relacionamento tem sido usado com bastante sucesso nesse tipo de ação.
  • Aspectos legais – como todo negócio, um estúdio de personal training precisa ser registrado seguindo as exigências legais de abertura e funcionamento, nesse sentido contratar um contador torna-se importante.
  • Despesas mensais – irão variar de acordo com a estrutura adotada pelo empreendedor, pois o valor do aluguel será diferente em cada região e proporcional às dimensões e tipo de imóvel. Percebemos que as despesas básicas são praticamente padronizadas, como: energia eletrica, água, honorários do contador e da faxineira, taxa bancaria de conta jurídica e produtos para manutenção e limpeza geral.

Por experiência, é consistente e possível o retorno do capital investido em cerca de vinte quatro meses. A taxa de lucro sobre o faturamento neste setor varia em torno de 15% ao mês, o que pode ser considerado como boa. Como este tipo de negócio fora das academias ainda é pouco explorado, dentro de alguns anos este cenário irá mudar devido aos resultados financeiros positivos proporcionados por investimento relativamente baixo.
Lembre-se que ao trabalhamos em algo que não gostamos ou que não acreditamos, mínimas serão as chances de sucesso. Bons negócios!

Por Luiz Antonio Domingues Filho

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1.DOMINGUES FILHO, L.A – Manual do personal trainer brasileiro – Ícone, São Paulo, 2008.
2.NOBRE, L. – (Re) projetando a academia de ginástica – Phorte, Sâo Paulo, 1999.
3.PORTO, F. A. – Centro de treinamento físico personalizado – SEBRAE/DF, Brasília, 1999.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *